Identifique as diferenças entre falsos negativos (chargeback) e falsos positivos (potenciais fraudes), aprenda a calcular a Receita Retida e maximize seus lucros!

 

Fraudes de cartão de crédito na internet

 

O golpe de cartão de crédito na internet mais comum que existe consiste no ato do fraudador utilizar o número do cartão de crédito de outra pessoa e fazer compras não autorizadas. O verdadeiro titular do cartão acaba descobrindo a transação não autorizada, iniciando uma disputa com seu banco. Se o banco da vítima titular do cartão de crédito decidir que a transação foi realmente fraudulenta, o titular receberá de volta a quantia roubada, mas a empresa ficará responsável pelo custo da fraude

 

Como já falamos em nosso artigo “Fraude de cartão de crédito — Quem paga o preço?”, arquitetar e cometer fraudes é algo irritantemente simples, o que torna sua prevenção ainda mais complexa. Em linhas gerais, um algoritmo antifraude decide, através de machine learning, se uma transação de cartão de crédito é fraudulenta ou não. Acontece que podem ocorrer acusações de fraude equivocadas, e são estes bloqueios indevidos que geram prejuízo aos comércios eletrônicos.

Fraude contra credores

 

Afinal, o que é fraude contra credores? Você provavelmente já ouviu o termo por aí, mas ainda não se aprofundou no assunto. De forma bem simples, a fraude contra credores acontece quando alguém faz uma compra no cartão de crédito sem ter a intenção de cumprir suas obrigações de pagamento com a empresa contratada (credor).

 

Falsos Negativos (Chargeback) x Falsos Positivos

 

A chave para o entendimento de um sistema antifraude é notar que há um balanço entre falsos negativos e falsos positivos — quanto menos você tiver do primeiro, mais precisará tolerar o segundo (e vice-versa). Cada falso negativo (chargeback) incorre em um custo direto, assim como cada falso positivo tem seu custo (a perda da venda em questão). 

 

Mas esse balanço não é o mesmo para todos. Se as margens de uma empresa são pequenas, um falso negativo é muito caro, enquanto um falso positivo nem tanto. Dessa maneira, a empresa deve se inclinar primariamente para impedir chargebacks, mesmo que isso signifique mais vendas perdidas. Se as margens forem grandes, é recomendável fazer o processo inverso.

 

Dito isso, as empresas precisam decidir como balancear essas duas importantes variáveis, o que se torna cada vez mais custoso e difícil, à medida que o negócio ganha mais clientes e, por consequência, maior complexidade. 

 

Cálculo de Receita Retida

Para endereçar esse desafio, a Legiti desenvolveu uma metodologia para determinar esse balanço em termos financeiros. Criamos uma nova variável de acompanhamento chamada Receita Retida. Para cada cliente, essa variável é construída de maneira única, dependendo da realidade operacional de cada um. A equação base é simples e segue a seguinte linha:

O foco na maximização de Receita Retida permite que nossos algoritmos encontrem com maior precisão e eficiência o constante balanço entre falsos positivos e  falsos negativos. Isso abstrai o controle concomitante de duas variáveis que andam em caminhos opostos e, consequentemente, garante a maximização do valor financeiro que fica com nossos clientes mês a mês. 

 

O cálculo de Receita Retida deve ser personalizado para cada negócio

 

Também é importante notar que essa equação de Receita Retida não é tão simples para todos os negócios, tendo de ser adaptada para a realidade operacional de cada um deles. É possível, por exemplo, que clientes tenham margens distintas e flutuantes para cada produto. Nesses casos, a extensão da equação de otimização para representar a real complexidade do balanço é fundamental. 

 

Além disso, vale lembrar que as empresas nem sempre são verdadeiramente livres para controlar essa troca. Se a taxa de fraudes de cartão de crédito (em número de transações) de uma empresa for maior que 1%, as bandeiras de cartão podem revogar sua capacidade de processar qualquer pagamento. Uma vez acima de 1%, empresas devem reduzir a taxa a todo custo, mesmo que isso signifique aceitar uma taxa de falsos positivos.

 

Você vende. Nós te protegemos das fraudes!

 

De qualquer forma, ao abstrair essa preocupação perene em forma de otimização de balanço de fraude, possibilitamos que nossos clientes tenham maior visibilidade e controle sobre o impacto financeiro de cada decisão antifraude, conseguindo focar em seu core business.

 

No fim das contas, o grande desafio de sistemas antifraude é exatamente encontrar esse balanço entre falsos negativos e falsos positivos — entre chargebacks e perda de vendas. O real entendimento de como esse cálculo é executado por sistemas antifraude é essencial para todo e qualquer comerciante que queira minimizar o impacto das fraudes cotidianas de cartão de crédito, otimizando os resultados financeiros de seu negócio.

 

No próximo mês, iremos passar uma lista de golpes mais comuns de cartão de crédito. Enquanto isso, leia mais no nosso blog!