O hábito de consumo das pessoas segue mudando e cada vez mais as transações online estão presentes no dia-a-dia. E essa mudança de comportamento está espalhada por todos os segmentos, não ficando restrita aos eletrônicos ou jogos.

Para se ter uma ideia, uma pesquisa divulgada no final de 2021 pela consultoria Bain & Company aponta que 76% dos brasileiros fazem ou fizeram compra on-line no supermercado. Outro dado interessante mostra a migração das pessoas para o mundo virtual: 54% desses consumidores realizaram a primeira compra de alimentos on-line após o início da pandemia de covid-19.

Assim, qualquer negócio atualmente deve se adaptar para conseguir acompanhar as mudanças. E claro, com cada vez mais dinheiro girando em torno desses setores, os fraudadores passam a enxergar uma oportunidade de fazer dinheiro. No Brasil, a cada 16 segundos, um golpista realiza uma tentativa de fraude.

Por isso, ao investir cada vez mais no mundo online, as lojas devem pensar na importância de um antifraude. Antes de mais nada, é importante saber que um antifraude para e-commerce não é um gasto a mais para sua empresa, mas sim um auxiliar que vai potencializar a conversão e ainda melhorar a experiência dos usuários.

Nesse momento pode surgir a dúvida: devo terceirizar ou internalizar o serviço? Além disso, não é incomum observarmos uma empresa insatisfeita com o serviço prestado por um antifraude e que, por isso, decide trocar de ferramenta ou ainda pensa em desenvolver sua própria plataforma.

Contudo, terceirizar esse tipo de negócio acaba sendo a melhor opção. Internalizar pode gerar grandes custos, dores de cabeça que farão as estratégias de vendas ficarem lado e, na maioria das vezes, a empresa sentirá falta de um profissional com expertise em fraude e pagamentos.

Por que terceirizar?

Ao terceirizar a solução antifraude, você tem a garantia de que está contando com especialistas que atuam diretamente contra fraudes e compreendem os caminhos dos golpistas.

Uma ferramenta como a da Legiti, que possui o Machine Learning como grande aliado, é fundamental para quem quer agilidade e aumento nas taxas de aprovação, já que o modelo consegue identificar o comportamento do fraudador durante uma transação.

Outra vantagem de terceirizar esse serviço é ter ao lado uma consultoria estratégica que é capaz de adaptar os modelos de acordo com seu negócio. Isso é de extrema importância já que os métodos utilizados pelos golpistas podem variar de acordo com o segmento das empresas que estão atuando no e-commerce.

Ou seja, uma análise no comportamento de compra, como a realizada pela Legiti, permite identificar se a movimentação durante a transação é condizente com aquilo que foi desenhada para cada plano de negócio. Assim, você estará não apenas reforçando a segurança, como melhorando os resultados de sua empresa.

A vantagem desse tipo de análise é que ela é extremamente eficaz. Para se ter uma ideia, nossos clientes observam um aumento de 7%, em média, na taxa de aprovação e, ao mesmo tempo, reduzem a taxa de chargeback em mais de 44%.

Ou seja, é importante compreender que não basta terceirizar um antifraude. Com os avanços da tecnologia, é importante ter em mente que contar uma análise de dados multidimensional que leva em consideração dados transacionais, cadastrais e de comportamento é fundamental.

Transparência

Outro ponto importante na hora de escolher um antifraude é observar o quanto ele é transparente com relação a tomada de decisão. Um dashboard transparente como o da Legiti permite aos clientes visualizarem em tempo real os índices de aprovação, rejeição e chargebacks.

Assim, seu negócio tem todas as transações visíveis e os filtros customizáveis possibilitam observações que auxiliam na tomada das melhores decisões.

Quer saber como podemos te ajudar? Entre em contato com nosso time preenchendo este formulário!

Artigo escrito por Felipe Oliveira
Felipe Oliveira é jornalista apaixonado por futebol, mas decidiu levar os esportes apenas como lazer depois trabalhar na redação em uma edição de Jogos Olímpicos e uma Copa do Mundo. Formado também em Direito, desde 2019 aceitou o desafio de escrever sobre tecnologia e, em 2021, passou a atuar com o tema fraudes. No tempo livre gosta de assistir a jogos de futebol e matar a saudade da infância com canais de YouTube sobre games antigos.